SMART SUMMIT

App SeamlessCARE Empathic dá voz às pessoas não verbais

Facebook
LinkedIn
Email
WhatsApp

Indíce

A startup irlandesa desenvolveu uma app para smartphone, que pretende facilitar a compreensão de pessoas com doenças que impedem a sua comunicação, ou que ficaram limitadas. 

A SeamlessCARE Empathic é um aplicativo móvel e uma API que utiliza inteligência artificial para ajudar pessoas não verbais a desenvolver formas de comunicarem de forma independente o que sentem. 

A app permite que qualquer pessoa com menos de 20 palavras no seu vocabulário a possa utilizar de forma consistente.

Durante o seu desenvolvimento, descobriram que as limitações vocais são semelhantes, seja derivado a autismo, a um ataque cardíaco ou danos cerebrais, afasia ou mesmo demência.

Permite gravar estas vocalizações limitadas dos utilizadores, os seus sons, fazendo a interpretação das emoções que estão a sentir e a tentar se exprimir.

A versão portuguesa da app já começou a ser desenvolvida, havendo planos para recrutar um português para supervisionar a localização. Espera-se um lançamento em março de 2023. 

Embora não tenham ganho o prémio da sua categoria, estar entre os finalistas da Altice International Innovation Awards foi muito importante para a startup, por ser um reconhecimento internacional daquilo que estão a fazer para ajudar as pessoas.  

Questionada sobre o potencial uso da aplicação em Portugal, a líder da startup, Aviva Cohen, estima que existem 194 mil pacientes com demência, grande parte não verbais.

Além dos casos de demência, refere que uma em cada mil crianças de idade escolar são diagnosticadas com autismo, com espectros diferentes.

A mesma também conclui que existem 200 milhões de pessoas em todo o mundo com este tipo de problemas na fala. 

Investigação e criação

A sua investigação sugere que, independentemente do caso clínico, seja ataques cardíacos, nascer com autismo ou ter demência, as articulações dos sons que são feitas e a respetiva parte emocional ligada, são as mesmas. A app analisa sons e não expressões faciais, essas sim são totalmente diferentes, porque um ataque cardíaco pode paralisar parte da face, por exemplo. 

Sobre a sua ligação com a Enterprise Ireland, a fundadora da startup afirma que foi crucial tanto neste, como no seu negócio anterior.

Para o seu desenvolvimento, não havia salário durante um ano. Investiu do seu bolso para se candidatar aos fundos de comercialização do produto na organização irlandesa. “Sem isso não seríamos capazes de mover em frente”.

A mesma realçou “E não apenas com o dinheiro, mas o suporte e mentoria que foram fundamentais”. Além disso, realçou que também faz parte do fórum de fundadores do Enterprise Ireland, onde recebe treino ligado ao negócio e a possibilidade de trocar experiências com outros empreendedores. 

Conselhos

No fim, deixou alguns conselhos para quem inicia agora no mundo do empreendedorismo. “Primeiro não assumam que sabem tudo. Aproveitem cada oportunidade para aprender, mesmo quando pensam que sabem algo. Por exemplo, se houver um curso disponível na Enterprise Ireland ou na Nova ou outra instituição, aceitem”.

Da mesma forma que aconselha a conhecer o máximo de empresas e organizações diferentes e aprender toda a parte do negócio. “Se não sou boa na parte técnica, eu pergunto a pessoas para me ensinarem algumas coisas”

Fonte: SapoTEK

Veja os meus outros artigos aqui.

Patrocinar Smart Summit

Ajude a fomentar o empreendedorismo nos Açores. Deixe o seu interesse e enviamos as condições para patrocinar o Smart Summit

Attendee Smart Summit Lagoa 2024

Não perca a oportunidade e participe no Smart Summit Lagoa 2024. Inscreva-se Gratuitamente!