SMART SUMMIT

Marketing de (e para) adultos

Facebook
LinkedIn
Email
WhatsApp

Indíce

Por João Cardoso, Brand strategist no erb’s creative studio

Julgo que se as redes sociais não tivessem restrições relativas à promoção de conteúdo erotizado, assistiríamos a mais macacadas em páginas de ferragens. Não sei quanto a si, mas um anúncio de Marketing atrevido com um Tirso Abantos, de Entrevías, parece-me pouco sensual. Felizmente, para nós, as normas existem.

Sexo no Marketing

Antes de começarmos, quero apelar à sua flexibilidade e, também pedir-lhe que pense numa marca de preservativos, brinquedos sexuais e similares. Por se tratar de um tema sensível, sinto-me na obrigação de avisar que, ao longo deste texto, não vamos falar de identidade de género. Quando falamos de sexo, referimo-nos ao ato conjugal físico utilizado para exprimir o amor, e assim. Não da identidade de cada um.

Muitas foram as grandes marcas que, ao longo da história, desenvolveram anúncios de cariz sexual. Melhor dizendo, muitas foram as marcas que recorreram a situações que julgavam despertar o desejo sexual para vender os seus produtos ou serviços.

Muitos foram também, os anúncios banidos. Uns por serem demasiado explícitos, outros por objectificarem a mulher, e outros, por uma série de outros motivos que não nos interessam muito para o tema.

Acredito que a filtragem da Meta, e dos seus semelhantes, nos poupe a muitas desgraças. Ainda assim, certamente existem várias PME’s a publicar piadas marotas ou a recriar anúncios da Old Spice, sem toalha…

Isto não só é prejudicial para nós (que temos de ver), como também é para as marcas que os publicam. Parece óbvio.

Porque é que o fazem?

Talvez nunca venhamos a descobrir.

Lembra-se de lhe ter pedido que pensasse numa marca de preservativos, brinquedos sexuais e similares? Vou arriscar, e dizer que escolheu a Control. A Control é capaz de ser uma das marcas que mais barulho gera no mundo digital e não digital. A marca que vende produtos marotos para muitos e obscenos para outros tantos tem sido um sucesso inquestionável em Portugal, sem sequer recorrer a tráfego pago nas redes sociais.

A meu ver, isto só é possível porque a marca compreende a relação entre o desejo sexual e a que têm com o mundo material. Ao passo que a maioria das marcas não!

4 autores e citações

Deixe-me partilhar consigo 4 autores e citações que sustentarão, em parte, o resto do monólogo (e que poderá partilhar nas redes sociais amanhã).

  • Zygmunt Bauman, sociólogo, disse que na modernidade líquida, a certeza é um luxo e, a verdade torna-se uma questão de perspectiva.
  • Jean-Jacques Rousseau, filósofo político, concluiu que o Homem nasce livre, mas vive acorrentado.
  • Jean Paul Sartre, filósofo existencialista, disse que, uma vez que a liberdade explode na alma do Homem, os deuses nada podem fazer contra ele.
  • Jordan Peterson, psicólogo clínico, disse que a Felicidade não é um estado constante. É o equilíbrio na batalha pela autorrealização.

Apoiado nas obras destes seres, chego à conclusão de que existem, pelo menos, 4 buscas sisifistas às quais estamos condenados. E que, ao mesmo tempo, são, também elas, essenciais à nossa sobrevivência enquanto espécie.

A certeza absoluta, a independência plena, a liberdade completa e a Felicidade pura.

Digo sisifistas porque, à partida, nunca atingiremos nenhuma delas. Pelo menos, não de forma integral e constante. Encontrar certezas absolutas, significaria pôr fim ao desenvolvimento de novo conhecimento. Conseguir a independência plena, significaria pôr fim às relações. Conquistar a liberdade completa, significaria viver num mundo sem lei, onde tudo seria possível. Posto isto, não me parece possível perseguir a Felicidade, nestes termos. O que quer dizer que, à partida, disciplinas como o Branding ou o Marketing seriam praticamente desnecessárias. Uma vez capazes de tudo e preenchidos totalmente, não precisaríamos de novos produtos nem serviços. Portanto, não precisaríamos de empresas nem marcas. Se quero uma cadeira, faço-a eu. Uma faca de cozinha? Também safo. Enfim, acho que já percebeu a ideia.

Foco no Marketing

Apesar de partilhar várias vezes que somos focados em resultados, e que é impossível apreciarmos a 100% o percurso, compreendo que é a instabilidade do percurso que nos permite continuar a fazer seja o que for. As pessoas, como diz Bauman, querem correr, não chegar.

No fundo, tudo se resume à personalidade. A receita perfeita é diferente. Constitui estes 4 ingredientes, mas as quantidades são diferentes para cada um de nós, ainda que os valores sejam muito próximos em todos.

Aprender a viver com a incerteza, aceitar que não precisamos de estar sozinhos e compreender os limites da liberdade. Por influência do meu amigo José Carlos Pereira, possivelmente dos melhores especialistas em vendas do país, tenho-me vindo a dedicar mais ao estudo do estoicismo. E, então, voltando ao tema central (sexo), encontrei Lúcio Séneca, um filósofo estoico, que disse:

“Os sentidos arrefecem assim que atingem o ponto de fervura. O volume de prazer sensual não é grande, e assim ele enche-se rapidamente, o prazer transforma-se em saciedade e a animação original torna-se monotonia e indolência.”

Ansiedade

É a ansiedade que antecede uma relação, que nos estimula e faz querer proferir um “acho que estou apaixonado”, estar com a pessoa todos os dias, comprar prendas e pagar jantares. É a ansiedade que antecede o novo iPhone, que nos faz querer comprá-lo. Quantos casamentos “morrem” após a fase de euforia? Bastantes. E quantos “morrem” por demasiada euforia? Bastantes também. Se a Apple só lançasse um produto de 5 em 5 anos, talvez a sua relação com a marca esmorecesse. O mesmo aconteceria se lançasse produtos novos todos os dias.

Permita-me fazer a primeira analogia útil deste artigo (e, talvez, da minha vida). Imagine que estamos encarregues de regular o som de uma festa, com recurso a um equalizador. Se colocarmos todos os valores no máximo, vamos dar cabo das colunas e irritar um bocadinho as pessoas (aka audiência). Se estiverem todos no mínimo, não usamos as colunas e aborrecemos toda a gente.

O estado de euforia exagerada , resultará em demasiada ansiedade para ser gerida, o que poderá terminar com um burnout. O estado de inatividade, resultará em aborrecimento extremo por falta de estímulos, o que levará a uma depressão.

Nenhum dos fins me parece positivo.

Por outro lado, o equilíbrio entre os dois, seguido de um pico de euforia e um declínio de inatividade, já me parece mais viável e condicente com a perspetiva, de relações e lançamento de produtos, anteriormente apresentada. E isto é válido tanto para nós enquanto pessoas, como para as marcas.

Novos lançamentos de Marketing

O lançamento de novos produtos é iniciado por um período de excitação (onde começa o desejo), seguido de um pico de euforia e de um período refratário (a utilização).

No que respeita o sexo e à sexualidade, parecemos compreender isto de forma natural. Vivemos a incerteza no desejo, sabemos que precisamos um do outro, compreendemos os limites da liberdade e rumamos à Felicidade e à conquista do momento de euforia. Na comunicação, grande parte das marcas salta etapas. Querem passar à euforia sem passar pelo desejo.

Mas como disse Ricardo Araújo Pereira: “A descrição do sexo consegue ser sempre mais compensadora do que o próprio sexo”.

A Control conta uma pequena história todos os dias. Na minha percepção, uma história positiva e inclusiva que utiliza a sexualidade, o sexo e o mundo material, para promover a universalidade, como disse recentemente a Patrícia Nunes Coelho, directora de Marketing da marca.

A história que envolve a comunicação de um produto pode criar uma marca interessante e positiva ou desprezível e, claro, negativa.

Antes de se atirar para as piadas marotas, pense nisto: Que história é que a sua marca conta? Uma comédia romântica, ou a anedota do Joãozinho e do preservativo?

Atente à segunda parte para informações mais científicas sobre o tema.

Muito em breve, na sua revista favorita (online).

Fonte: Sapo

Gostas da área de marketing? Então vais adorar ler este artigo da Smart Summit:  Marketing going green or greenwashing

Patrocinar Smart Summit

Ajude a fomentar o empreendedorismo nos Açores. Deixe o seu interesse e enviamos as condições para patrocinar o Smart Summit

Attendee Smart Summit Lagoa 2024

Não perca a oportunidade e participe no Smart Summit Lagoa 2024. Inscreva-se Gratuitamente!