SMART SUMMIT

Centro de Transformação Biotecnologia Azul em Portugal

Facebook
LinkedIn
Email
WhatsApp

Indíce

 A antiga refinaria de Matosinhos vai dar lugar ao novo Centro Internacional de Biotecnologia Azul. Descubra mais neste artigo!

O que é a Biotecnologia Azul?

A biotecnologia azul está diretamente relacionada com os oceanos e mares. Como tal, utiliza os organismos marinhos, onde estes dão lugar a um novo produto. Estes produtos variam entre os setores farmacêuticos, cosméticos, alimentares entre outros.

Novo Centro de Transformação de Biotecnologia Azul

O novo centro resulta da parceria entre a Galp, a Fundação Oceano Azul e a Câmara Municipal de Matosinhos. Além disso, o projeto conta com a colaboração da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento do Norte (CCDR-N).

Segundo António Costa e Silva, este é um “dos grandes projetos transformadores da economia portuguesa”. Nesse sentido, o Ministro da Economia e do Mar afirma que “há todas as condições para o projeto ser lançado”. Qual o objetivo? Colocar Portugal como líder neste tema.  

A refinaria da Galp, em Matosinhos, declarou o seu fim em 2020. Porém a descontaminação dos solos ainda não se verificou. Com efeito, de acordo com o Ministro, a Galp está a trabalhar “para identificar as áreas a descontaminar”. Porém, não é um caminho fácil e “pode ser um obstáculo se não for tratado da devida maneira”. Contudo a Galp vai assumir a descontaminação, “desde que as áreas sejam identificadas”

No que diz respeito à ajuda do governo neste aspecto, “o Estado não porá verbas para descontaminar terrenos”

Qual a importância deste projeto no país?

De acordo com estimativas da União Europeia, cerca de 200 mil milhões de euros farão parte dos investimentos para a economia azul. Em Portugal, o foco é “atrair entre 5 a 7% desse valor de mercado”. Como tal, o país irá  criar “condições para gerar receitas que vão entre 10 a 14 mil milhões de euros”.

Para quando o novo centro?

Costa e Silva espera que em 2025 o projeto já esteja no terreno. Agora, espera-se o prazo de 2 anos para formatar a política pública e “mobilizar os parceiros para ter o projeto a funcionar”

Que novidades terá para o país?

De acordo com o protocolo assinado pelas entidades parceiras, pretendem, principalmente, criar novos postos de trabalho. Outra linha que faz parte dos objetivos, passa por afirmar Portugal como o líder da inovação e investigação, à escala mundial, da biotecnologia azul.

Que contributo terão as entidades parceiras?

No que toca à Fundação Oceano Azul, esta terá a responsabilidade da criação de um plano de desenvolvimento e gestão de infraestrutura e tecnologia a incorporar. A Galp vai definir as áreas destinadas ao projeto, enquanto a Câmara de Matosinhos vai focar na dinamização e promoção do conceito. Por fim, a CCDR-N terá a função de “procurar reforçar o contributo do mar para a economia regional”.

Fonte: Açoriano Oriental.

Já leu o artigo sobre o novo projeto da EDP com a P&G? Se queres saber mais, clica aqui!

Patrocinar Smart Summit

Ajude a fomentar o empreendedorismo nos Açores. Deixe o seu interesse e enviamos as condições para patrocinar o Smart Summit

Attendee Smart Summit Lagoa 2024

Não perca a oportunidade e participe no Smart Summit Lagoa 2024. Inscreva-se Gratuitamente!